sábado, 29 de dezembro de 2012

O Lado Errado da Questão


- O que é que achas daquela ideia do secretário de Estado Adjunto da Saúde, Fernando Leal da Costa, de ter convidado os cidadãos a absterem-se de recorrer aos serviços de saúde, a fim de com isso promoverem poupanças naquela área, garantindo assim a sustentatibilidade do Serviço Nacional de Saúde?

- Penso que começou pelo lado errado. A solução correcta seria começar por o dispensar a ele, e se necessário fosse, todas as restantes equipas governativas do actual governo.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Apontem-se as Diferenças


- Que me dizes do caso daquele charlatão de nome Artur Baptista da Silva que afirma ser economista, que diz ser coordenador de um organismo das Nações Unidas que não existe, e que anda a dar pareceres sobre a crise das dívidas soberanas?

- Nada que me espante! Num país em que a realidade supera a ficção, que diferença há entre esse charlatão Artur Baptista da Silva que afirma ser economista, que diz integrar um observatório das Nações Unidas que não existe, que exibe um curriculum invejável, que é convidado e discursa em conferências e seminários, que é entrevistado por meio mundo, opinando sobre a crise das dívidas soberanas, que diferença há, dizia eu, entre ele e um ex-primeiro ministro José Sócrates que se dizia engenheiro com exames feitos por fax, mais um actual ministro Miguel Relvas que se acha licenciado em relações internacionais com uma mão-cheia de equivalências, os quais sempre tiveram (e continuam a ter) direito a tempo de antena para debitarem toda a espécie de inanidades, e a quem muita gente continua a tirar o chapéu?

sábado, 22 de dezembro de 2012

Profecias!

 
- Estás a ver? Afinal não houve fim do mundo como andavam a anunciar…

- É verdade! Afinal a profecia maia vale tanto como aquela de Passos Coelho, quando disse que o ano de 2012 iria ser, inequivocamente, custasse o que custasse, um tempo de viragem. Alguns resultados já estão à vista, ao passo que outros, adivinham-se.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Aqui ao lado, e ao vivo, 6ªfeira dia 21/12 às 14h
PASSOS SAÚDA O BOM POVO PSD DA PORTELA



O convite (ou será que foi ele que se ofereceu?) é da colectividade local, a AMP, e o evento está agendado para esta 6ª feira dia 21/12, às 14 h, na sede da AMP, ao pé dos campos de jogos.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Cavaquices

- Sabias que na última sondagem de popularidade o presidente Cavaco sofreu uma ligeira queda...

- Oh coitado, e partiu alguma coisa?

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Nunca Voltes a Confiar Em Quem te Enganou Uma Vez


Medvedev, primeiro-ministro da Rússia, após uma entrevista, convicto que os microfones estavam desligados, declarou que acreditava no Pai Natal;

Julia Gillard, primeira-ministra australiana, num vídeo para um programa de uma rádio (parece que a coisa era uma paródia), advertiu os seus concidadãos de que o fim do mundo está a chegar, que a profecia maia se vai cumprir no dia 21 de Dezembro de 2012, e até fez questão de se despedir;

E o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, de que nos quer convencer? Será que vai continua a dizer que Portugal não é igual à Grécia?

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

As Palavras do Ano são CAPITALISMO e SOCIALISMO. O ano passado foi AUSTERIDADE.

Clique em OK para ler as instruções

Baseado no numero de consultas aos seus dicionários on-line a norte americana Merriam-Webster's acaba de anunciar como  Palavras do Ano CAPITALISM e SOCIALISM. O ano passado tinha sido eleita a palavra AUSTERIDADE o que sugere que, depois de se discutir o problema, o interesse este ano centrou-se nas soluções.

Mas não só a oposição Capitalismo Socialismo parece por lá despertar maior interesse, como a palavra Socialismo já vai tendo para os norte americanos uma conotação mais positiva: "Numa sondagem a nível nacional nos USA, para testar as reacções a alguns termos usados no discurso politico, a palavra Capitalismo é cada vez menos valorizada, e cresce o numero de americanos que têm uma ideia positiva do Socialismo".

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

334 Dias Depois


EM 7 de Janeiro de 2012 o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho afirmou que 2012 iria ser um ano de viragem económica para Portugal, no sentido positivo, garantia ele. 334 dias depois os resultados estão à vista!

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Ex-chefe da CIA sobre a War on Terror de Obama "We don’t capture anyone, anymore. We take another option, we kill them"


A imagem é da série de TV Homeland, exibida em Portugal pelo canal Fox com o nome Segurança Nacional, centrada na ameça à segurança dos USA pelos planos de um novo Bin Laden que, talvez se venha a saber mais tarde no desenrolar da série, terá sido também mais uma criação da politica externa dos USA.

Sobre a série, e sobre a politica de segurança de Obama, vale a pena ler o artigo na revista online n+1, que entre outras coisas relembra a certa altura as declarações de Michael Hayden, director da CIA e da NSA no tempo de George W. Bush, e que teve a responsabilidade directa de supervisionar a utilização pela CIA de técnicas de tortura em detidos e de alargar as actividades da NSA a espiar ilegalmente cidadãos americanos, numa palestra na Universidade de Michigan.

Embora inicialmente contrário à politica de Obama na War on Terror, Michael Hayden reconhece agora que a politica de Obama é uma continuação da de Georges W. Bush, embora com algumas diferenças, por exemplo “We don’t capture anyone anymore.” Hayden said. "We take another option, we kill them. Now. I don’t morally oppose that”. E pelo que vimos das campanhas da reeleição de Obama, parece não haver nos USA muita gente a opor-se moralmente a uma politica que, só com o uso dos famigerados drones, já matou, sem detenção ou julgamento, mais de 2500 alegados terroristas.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Identificada a mãe solteira que passa o dia no café a virar bejecas e tirar umas passas, à custa do RSI e do abono de família dos putos, e que o DN descobriu ter duas casas da Câmara: vive numa e aluga a outra por uma nota preta.


Depois duma apurada investigação que provavelmente meteu também umas quantas sessões de visionamento de imagens de reportagens da RTP, foi finalmente identificada a mãe solteira que passa o dia no café a virar bejecas e tirar umas passas, tudo à custa do RSI e do abono de família dos putos, e que o DN descobriu ter duas casas da Câmara: vive numa e aluga a outra por uma nota preta.

Em vez de nos informar das dramáticas consequências que o corte de subsídios e outras prestações sociais está a ter sobre os mais desamparados, o alegado jornalista do DN prefere fazer de caixa de ressonância das posições do Governo que, através deste boy do  IHRU, vai  preparando o ambiente para alargar os despejos às famílias que vivem em casas de habitação social.

No seu vómito sobre os mais desprotegidos, afiançam que "há quem tenha mais de uma habitação social, vivendo numa e alugando outra", doutros que "venderam a chave" e de "ainda alguns milhares de portugueses, hoje com rendimentos mais elevados, que continuam a pagar rendas baixas porque a lei não permite despejá-los", mas são incapazes de mostrar uma única chave vendida ou alugada, e  sabem muito bem que embora a lei não permita despejos, prevê a revisão anual da renda em função dos rendimentos do agregado familiar.

Merda de jornais, não é?  E de Governo, claro.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

WALMART
Um dia histórico para os trabalhadores de Serviços americanos.


Há 50 anos a maior empresa dos Estados Unidos era a General Motors, do celebrado o que é bom para a General Motors é bom para a América, onde o salário/hora médio dum operário andava à volta dos 50 dólares (a preços actuais). Agora o lugar de maior empresa pertence à cadeia de lojas Walmart, um gigante mundial que emprega um milhão e quatrocentos mil trabalhadores, que recebem em média um salário/hora de 8,81 dólares.

Há muitas razões para este abismal retrocesso, e uma delas é certamente o declínio da sindicalização nos Estados Unidos. Nos anos 50 o sindicato United Auto Workers era uma força efectiva dentro da GM, conseguindo negociar condições favoráveis para os seus trabalhadores. Na Walmart os trabalhadores não têm representação sindical e para além dos baixos salários confrontam-se ainda com péssimas condições de trabalho, e até de respeito pela sua dignidade.

Mas hoje é um dia importante não só para os trabalhadores da Walmart, como para os outros trabalhadores do sector de Serviços, de longe o que emprega maior numero de trabalhadores nos Estados Unidos. Depois duma greve, a primeira em 50 anos, que no mês passado envolveu 28 lojas, hoje os trabalhadores da Walmart, com o apoio do sindicato United Food and Commercial Workers Union estão novamente em luta.

Num dia de grande afluência às lojas, o dia da festa das compras nos USA, o Black Friday, o protesto não está a afectar substancialnente o negócio da empresa, mas os piquetes de greve que se estendem por 46 Estados e envolvem cerca de 1000 lojas, estão a ter um grande impacto junto dos milhões de clientes da Walmart, a maioria deles também trabalhadores.

Como dizia Galileu: Eppur si muove.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

CONSEQUÊNCIAS DA AUSTERIDADE
Papa retira burro e vaca do presépio, e a Maria tem de devolver as quecas.

Vais ver, diz o burro à vaca, que a esta hora já estamos na lista de privatizações do Gaspar.

A notícia é do Publico de hoje, e é só para dizer que aqui na Essência estamos todos desolados.


Adenda (lido no Facebook)
Confirma-se que a vaca sai, mas a Maria e o burro continuam em Belém.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Quem é que pode aprender com quem?



A propósito da visita do Presidente da Colômbia a Portugal, ouvi ontem num noticiário um comentador tecer elogios ao modelo económico e social colombiano (onde já vão as nossas referências). Fiz uma pequena busca para comparar os indicadores que realmente importam para avaliar as virtudes de um modelo de sociedade e eis as comparações:
Índice que mede a desigualdade de distribuição do rendimento (Gini: 0 igual» 100 desigual)
Colômbia (Gini: 52), Portugal (Gini: 33,7)
Índice de Desenvolvimento Humano
Colômbia (IDH: 0,710 – 79º posição), Portugal (IDH: 0,809 – 41º posição)
Esperança Média de Vida
Colômbia (72,9 anos – 84º posição), Portugal (79,4 anos – 39º posição)
Mortalidade Infantil (aqui há um abismo)
Colômbia (19,1/mil nasc.  – 90º posição), Portugal (3,1/mil nasc. – 26º posição)
Alfabetização
Colômbia (92,7% – 83º posição), Portugal (94,9%  – 68º posição)

De acordo com dados da Comissão Económica para a América Latina e o Caribe só há dois países mais desiguais que a Colômbia, as Honduras e a Guatemala. De acordo com a mesma fonte de entre os países que mais evoluíram na redução da desigualdade medida pelo índice de Gini estão a Venezuela, o Peru, a Argentina, o Brasil e a Bolívia.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Das Glândulas Sudoríparas


ONTEM, dia da bem sucedida Greve Geral, o “encoberto” Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, lá veio dar mais um ar da sua graça, ao afirmar que o direito à greve “deve ser respeitado”, para logo a seguir acrescentar que em dia de paralisação geral decidiu trabalhar (lembram-se do seu pitoresco “deixem-me trabalhar!” dos anos 90?), reunindo com o seu homólogo colombiano, para contribuir para um futuro com mais emprego e crescimento. De facto, para os lados de Belém, o odor a transpiração era insuportável, muito embora o esforço sobre-humano da presidencial figura, não tenha conseguido contrariar os números do desemprego, os quais, segundo informação do Instituto Nacional de Estatística, subiram para 15,8%.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

GREVE GERAL 14/11
Como fazer greve sem causar transtorno a ninguém.


No dias de Greve Geral, ou doutras greves como as dos transportes, a alegada comunicação social consegue sempre arranjar meia dúzia de paisanos  a queixaram-se em directo dos transtornos que a greve provoca nas suas, doutro modo, tão harmoniosas vidinhas.

Fazer greve sem prejudicar o cidadão comum? Seja criativo, veja o exemplo deste professor que arranjou uma solução impecável para evitar o eventual transtorno que a Greve Geral de dia 14 poderia criar a alguns dos  seus alunos:

Caros Alunos,

Em sequência da Greve Geral anunciada para o próximo dia 14, a maioria dos alunos da T05 não irá comparecer à aula de quarta-feira. Deste modo, e para evitar que as duas turmas fiquem em pontos muito diferentes da matéria, informo que não vos darei aulas amanhã dia 13 de Novembro.

Até sexta-feira.

Cumprimentos,


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

PROPOSTA DE EXTINÇÃO DE FREGUESIAS
Na parte oriental do concelho de Loures 10 freguesias são reduzidas a 4


Já é conhecida a Proposta de Extinção de Freguesias que, no que respeita à parte oriental do concelho de Loures é semelhante ao desolador cenário que aqui tínhamos ensaiado. Aliás, em relação à redução do numero de freguesias resultante da aplicação da lei nesta parte do concelho, estava na cara que seria de 10 para 4.

As 3 freguesias de Santa Iria da Azóia (18240 habitantes), São João da Talha (17252) e Bobadela (8839) ficam reduzidas a uma única, o mesmo acontecendo às freguesias de Camarate (19789), Unhos (9507) e Apelação (5647). Juntam também Sacavém (18469) e Prior Velho (7136)  numa freguesia, e Moscavide (14266) e Portela (11809) noutra. Tudo freguesias urbanas com população entre 18200 e 5600 habitantes.

Na zona ocidental do concelho a  Santo António dos Cavaleiros (25881) junta-se Frielas (2171), e os dois Tojais , Santo Antão (4216) e São Julião (3837) , são também juntos numa única Freguesia. Mantêm-se no concelho de Loures, as freguesias de Bucelas (4663), Fanhões (2801), Lousa (3169) e Loures (27362).

Para disfarçar a violência duma reorganização alucinada (como lhe chamou Mota Amaral), e não juntar insulto à injúria, mantêm os nomes das freguesias extintas na designação das novas freguesias, por exemplo União das Freguesias de Santa Iria da Azóia, São João da Talha e Bobadela, o que é algo de muito pratico de dizer sempre que lhe perguntarem em que freguesia reside e, no futuro, qual a freguesia da sua naturalidade.

Vai ser interessante de ver como é que se vão enfiar nomes com 50 ou 60 caracteres em impressos ou bases de dados que previam nomes com o máximo de 20 ou 25 letras, e o que é que acontece se, por engano, trocarmos a ordem dos nomes. Será que, como na propriedade associativa da soma ou da multiplicação, a ordem dos factores também vai ser arbitrária?

Arbitrária certamente é uma alegada reforma administrativa que não traz quaisquer benefícios  e que apresenta todos os inconvenientes que autarcas e populações não se cansam de apontar. Em Loures,  num mesmo concelho, se a proposta for aprovada na AR e promulgada pelo Presidente da República, vamos passar a ter freguesias com mais de 35 mil ou mesmo 44 mil habitantes (uma freguesia com mais habitantes do que 242 dos 308 Concelhos do país), ao lado de outras com cerca de 3000 habitantes.

Ou seja, antes que estas aberrações se concretizem, mais um motivo para correr com um Governo que nunca devia sequer ter tomado posse.

As eventuais futuras 10 freguesias do concelho de Loures, e numero de habitantes:
  • União das Freguesias de Santa Iria da Azóia, São João da Talha e Bobadela - 44331
  • União das Freguesias de  Camarate, Unhos  e Apelação - 35156
  • União das Freguesias de Sacavém  e Prior Velho - 25605
  • União das Freguesias de Moscavide e Portela - 26075
  • União das Freguesias Santo António dos Cavaleiros e Frielas - 28052
  • Freguesia de Loures - 27362
  • União das Freguesias de  Santo Antão do Tojal e São Julião do Tojal - 8053
  • Freguesia de Bucelas - 4663
  • Freguesia de Fanhões - 2801
  • Freguesia de Lousa - 3169

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

MÁRIO DE CARVALHO FALA DO FASCISMO QUE, PARA OS SIMPATIZANTES DOS FASCISTAS, NUNCA EXISTIU.


"Eu nunca fui obrigado a fazer a saudação fascista aos «meus superiores».
Eu nunca andei fardado com um uniforme verde e amarelo de S de Salazar à cintura.
Eu nunca marchei, em ordem unida, aos sábados, com outros miúdos, no meio de cânticos e brados militares.
Eu nunca vi os colegas mais velhos serem levados para a «mílícia», para fazerem manejo de arma com a Mauser.
Eu nunca fui arregimentado, dias e dias, para gigantescos festivais de ginástica no Estádio do Jamor.
Eu nunca assisti ao histerismo generalizado em torno do «Senhor Presidente do Conselho», nem ao servilismo sabujo para com o «venerando Chefe do Estado».
Eu nunca fui sujeito ao culto do «Chefe», «chefe de turma», «chefe de quina», «chefe dos contínuos», «chefe da esquadra», «chefe do Estado».
Eu nunca fui obrigado a ouvir discursos sobre «Deus, Pátria e Família».
Eu nunca ouvi gritar: «quem manda? Salazar, Salazar, Salazar».
Eu nunca tive manuais escolares que ironizassem com «os pretos» e com «as raças inferiores».
Eu nunca me apercebi do «dia da Raça».
Eu nunca ouvi louvar a acção dos «Viriatos» na Guerra de Espanha.
Eu nunca fui obrigado a ler textos escolares que convidassem à resignação, à pobreza e ao conformismo;
Eu nunca fui pressionado para me converter ao catolicismo e me «baptizar».
Eu nunca fui em grupos levar géneros a pobres, politicamente seleccionados, porque era mesmo assim.
Eu nunca assisti á miséria fétida dos hospitais dos indigentes.
Eu nunca vi os meus pais inquietados e em susto.
Eu nunca tive que esconder livros e papéis em casa de vizinhos ou amigos.
Eu nunca assisti à apreensão dos livros do meu pai.
Eu nunca soube de uma cadeia escura chamada o Aljube em que os presos eram sepultados vivos em «curros».
Eu nunca convivi com alguém que tivesse penado no Tarrafal.
Eu nunca soube de gente pobre espancada, vilipendiada e perseguida e nunca vi gente simples do campo a ser humilhada e insultada.
Eu nunca vi o meu pai preso e nunca fui impedido de o visitar durante dias a fio enquanto ele estava «no sono».
Eu nunca fui interpelado e ameaçado por guardas quando olhava, de fora, para as grades da cadeia.
Eu nunca fui capturado no castelo de S. Jorge por um legionário, por estar a falar inglês sem ser «intréprete oficial».
Eu nunca fui conduzido à força a uma cave, no mesmo castelo, em que havia fardas verdes e cães pastores alemães.
Eu nunca vi homens e mulheres a sofrer na cadeia da vila por não quererem trabalhar de sol a sol.
Eu nunca soube de alentejanos presos, às ranchadas, por se encontrarem a cantar na rua.
Eu nunca assisti a umas eleições falsificadas, nunca vi uma manifestação espontânea ser reprimida por cavalaria à sabrada;
eu nunca senti os tiros a chicotearem pelas paredes de Lisboa, em Alfama, durante o Primeiro de Maio.
Eu nunca assisti a um comício interrompido, um colóquio desconvocado, uma sessão de cinema proibida.
Eu nunca presenciei a invasão dum cineclube de jovens com roubo de ficheiros, gente ameaçada, cartazes arrancados.
Eu nunca soube do assalto à Sociedade Portuguesa de Escritores, da prisão dos seus dirigentes.
Eu nunca soube da lei do silêncio e da damnatio memoriae que impendia sobre os mais prestigiados intelectuais do meu país.
Eu nunca fui confrontado quotidianamente com propaganda do estado corporativo e nunca tive de sofrer as campanhas de mentalização de locutores, escribas e comentadores da Rádio e da Televisão.
Eu nunca me dei conta de que houvesse censura à imprensa e livros proibidos.
Eu nunca ouvi dizer que tinha havido gente assassinada nas ruas, nos caminhos e nas cadeias.
Eu nunca baixei a voz num café, para falar com o companheiro do lado.
Eu nunca tive de me preocupar com aquele homem encostado ali à esquina.
Eu nunca sofri nenhuma carga policial por reclamar «autonomia» universitária.
Eu nunca vi amigos e colegas de cabeça aberta pelas coronhas policiais.
Eu nunca fui levado pela polícia, num autocarro, para o Governo Civil de Lisboa por indicação de um reitor celerado.
Eu nunca vi o meu pai ser julgado por um tribunal de três juízes carrascos por fazer parte do «organismo das cooperativas», do PCP, com alguns comerciantes da Baixa, contabilistas, vendedores e outros tenebrosos subversivos.
Eu nunca fui sistematicamente seguido por brigadas que utilizavam um certo Volkswagen verde.
Eu nunca tive o meu telefone vigiado.
Eu nunca fui impedido de ler o que me apetecia, falar quando me ocorria, ver os filmes e as peças de teatro que queria.
Eu nunca fui proibido de viajar para o estrangeiro.
Eu nunca fui expressamente bloqueado em concursos de acesso à função pública.
Eu nunca vi a minha vida devassada, nem a minha correspondência apreendida.
Eu nunca fui precedido pela informação de que não «oferecia garantias de colaborar na realização dos fins superiores do Estado».
Eu nunca fui objecto de comunicações «a bem da nação».
Eu nunca fui preso.
Eu nunca tive o serviço militar ilegalmente interrompido por uma polícia civil.
Eu nunca fui julgado e condenado a dois anos de cadeia por actividades que seriam perfeitamente quotidianas e normais noutro país qualquer;
Eu nunca estive onze dias e onze noites, alternados, impedido de dormir, e a ser quotidianamente insultado e ameaçado.
Eu nunca tive alucinações, nunca tombei de cansaço.
Eu nunca conheci as prisões de Caxias e de Peniche.
Eu nunca me dei conta, aí, de alguém que tivesse sido perseguido, espancado e privado do sono.
Eu nunca estive destinado à Companhia Disciplinar de Penamacor.
Eu nunca tive de fugir clandestinamente do país.
Eu nunca vivi num regime de partido único.
Eu nunca tive a infelicidade de conhecer o fascismo."

domingo, 28 de outubro de 2012

De ONZE para SETE Sempre São QUATRO de Diferença!

António José (in)Seguro diz que Pedro Passos Coelho, em vez de onze, se meteu numa camisa de sete varas. Querem ver que fez um desconto para não o magoar muito...

sábado, 27 de outubro de 2012

LEMBRAI-VOS DE NÓS COM INDULGÊNCIA
A propósito de Uma Democracia Avançada - Os valores de Abril no Futuro de Portugal.


"(...)Vós, que surgireis da maré
em que perecemos,
lembrai-vos também,
quando falardes das nossas fraquezas,
lembrai-vos dos tempos sombrios
de que pudestes escapar.

Íamos, com efeito,
mudando mais frequentemente de país
do que de sapatos,
através das lutas de classes,
desesperados,
quando havia só injustiça e nenhuma indignação.

E, contudo, sabemos
que também o ódio contra a baixeza
endurece a voz. Ah, os que quisemos
preparar terreno para a bondade
não pudemos ser bons.
Vós, porém, quando chegar o momento
em que o homem seja bom para o homem,
lembrai-vos de nós
com indulgência."

Bertolt Brecht

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

VOLTAR AO LUGAR ONDE JÁ SE FOI FELIZ?
A propósito de Uma Democracia Avançada - Os valores de Abril no Futuro de Portugal.


Todos temos um pouco de masoquista que por vezes, na tentativa de recriar tempos passados,  nos impele a revisitar  lugares onde já fomos mais felizes.

Hoje, a leitura do projecto de alteração do Programa do PCP Uma Democracia Avançada - Os valores de Abril no Futuro de Portugal, trouxe-me à memória o verso do belíssimo Peces de Ciudad de Joaquin Sabina: "En Macondo comprendi / que al lugar donde has sido feliz/ no debieras tratar de volver".

Y cómo huir
cuando no quedan
islas para naufragar
al país
donde los sabios se retiran
del agravio de buscar
labios que sacan de quicio,
mentiras que ganan juicios
tan sumarios que envilecen
el cristal de los acuarios
de los peces de ciudad
que perdieron las agallas
en un banco de morralla,
que nadan por no llorar

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

PARA QUEM É POBRE A MISÉRIA NÃO É DIFÍCIL



Actualmente, o valor mínimo do subsídio de desemprego são 419,22€, sendo este o valor do IAS (indexante dos Apoios Sociais). Esta barreira mínima defende os trabalhadores que trabalham pelo salário mínimo ou pouca acima disso. Este valor não é revisto desde 2009 e só essa falta de revisão resultou na sua desvalorização real por via da inflação ao longo destes anos. Agora o Governo pretende alterar este valor, baixando-o para 377€ (90% do IAS) para um desempregado com família e para 301€ (72% do IAS) para um desempregado isolado.
Esta proposta demonstra bem o que significa a expressão propagandista da “Ética na Austeridade” e o calibre do “Visto Familiar” com que o CDS afirmou que passaria a crivo todas as propostas do Governo.
Um trabalhador ou uma família que subsista com um ou dois salários mínimos vivem claramente na pobreza. Não será necessário fazer muitas demonstrações para se concluir o ambiente de profunda privação económica a que estarão sujeitos. A sociedade portuguesa está cada vez mais longe de atingir o patamar mínimo de dignidade económica, que é aquele onde a retribuição do trabalho deve ser o suficiente para fazer face às mais básicas necessidades da subsistência.
Com esta proposta o Governo dá um passo em frente! O governo assume que quem se habitua a viver na pobreza, mesmo trabalhando, facilmente se acomoda à miséria, ficando desempregado.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

RANKING ESCOLAS DO CONCELHO LOURES
Isto é um ranking de escolas, ou é um ranking das condições sociais das famílias dos alunos?


Quando nos deparamos com um daqueles Rankings de Escolas que os jornais fazem a partir dos resultados dos exames divulgados pelo Ministério da Educação, a nossa primeira reacção será irmos espreitar em que lugar está a escola do nosso filho, dos nossos conhecidos, ou até a nossa escola, aquela que há uns anos, às vezes muitos, nós próprios frequentámos.

E foi assim que lá fui ver, primeiro em que lugar do raking estava a escola cá do bairro, e depois  como é que ela comparava com as outras escolas aqui do concelho de Loures.

Um ranking de escolas, julgamos nós, deveria reflectir coisas como a qualidade do ensino, se os professores são competentes, se está bem organizada, enfim, em que medida a escola consegue motivar os seu alunos a dar cada um/a o melhor si.  Mas afinal o que os badalados Rankings de Escolas, ou mais concretamente de resultados dos exames, nos mostrem não é nada disso; todos sabemos que os resultados alcançados pelos alunos dependem muito de condições exteriores à escola, nomeadamente das condições económicas e sociais das respectivas famílias.

Este ano, para além da média dos resultados dos exames, o Ministério da Educação divulgou, e o Expresso publicou, um indicador, a percentagem de alunos carenciados em cada escola, que, apesar de limitado, nos dá uma ideia sobre as tais condições sócio económicas das famílias, que tanto pesam no aproveitamento escolar, e de que tanto nos esquecemos quando olhamos para os Rankings de resultados dos exames.

E como seria de esperar, mesmo tratando-se de um indicador limitado (melhor seria um indicador baseado no nível de educação e rendimento dos pais),  o Ranking das escolas do concelho de Loures reflecte muito mais as condições sócio económicas das famílias dos alunos que as frequentam, do que a qualidade do ensino, a competência e dedicação dos professores, ou a capacidade de organização de cada uma daquelas comunidades escolares.

Para os pais preocupados com o desempenho e resultado escolar dos filhos parecerá que eles terão mais hipóteses de ter boas notas numa escola melhor posicionada no Ranking, por exemplo onde a média dos exames é 13 do que noutra em que é 11,  mas o que os números do Ranking mostram é que não será bem assim. Obviamente naquelas duas escolas há alunos com resultados superiores à média, que até podem ser  resultados semelhantes, sendo a média duma delas inferior por ter mais alunos com resultados mais baixos o que,  voltando ao que já dissemos acima, em geral acontece por razões exteriores à própria escola.

Claro que haverá certamente escolas melhores do que outras, mas a diferença entre elas estará longe daquilo que o Ranking sugere, e em última análise não será  por uma escola não ser tão boa, que um bom aluno deixará de ter bons resultados. E pesará mais num bom resultado os pais sacrificarem-se a comprar uma boa escola, privada, para os filhos, ou  a acompanharem e apoiarem a sua vida escolar e o seu desenvolvimento saudável e equilibrado?

Por ultimo, talvez mais do que os Rankings, aquilo que deixa alguns pais inseguros e apreensivos em relação à escola pública, o seu caracter inclusivo, interclassista, multirracial,  com várias religiões e com quem não tem nenhuma, é afinal uma vantagem na preparação dos jovens para o mundo real, longe das bolhas dos colégios de elite, dos condomínios fechados e outras formas de segregação social que mais não fazem do que contribuir para a reprodução das divisões económicas e sociais  que continuam a ser das maiores chagas deste país tão desigual.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Por aqui também temos do mesmo
NEGAR ALMOÇO A UMA CRIANÇA, NÃO ACONTECE APENAS NA ESCOLA DE LOULÉ.


Para que haja a consciência de que uma escola deixar uma criança sem refeição não é uma excepção, que não se restringe à escola de Loulé, e que se calhar é pratica mais generalizada do que poderíamos supor, aqui fica o  relato dum caso de que tive conhecimento directo, acontecido faz já algum tempo, aqui na Escola Vasco da Gama do Parque das Nações.

À hora do almoço a mãe duma criança de cinco anos recebe um telefonema da escola Vasco da Gama do Parque das Nações a informar que por falta de pagamento não tinha sido servido o almoço ao filho. Por se encontrar fora de Lisboa a mãe telefonou à avó da criança que de imediato se deslocou à escola onde se deparou com a cena degradante do neto, cinco anos, sentado sozinho numa mesa à parte, a ver os outros colegas a almoçar e, se calhar, com o apetite que sempre se aguça quando estamos com fome e vemos os outros a comer, a perguntar para os seus botões porque é que que o estavam a tratar daquela maneira.

Como é habitual nos casos em que alguém faz asneira da grossa, a desculpa foi de que eram ordens, e só depois de feito o pagamento é que serviram a refeição à criança. Acontece, o que para o caso nem sequer acho relevante, que até nem havia qualquer atraso no pagamento, o pai tinha em seu poder o recibo do pagamento adiantado das refeições dessa semana, que por um qualquer erro administrativo não ficou registado no cartão magnético do aluno.

Numa altura em que tantas famílias vivem situações dramáticas, é ainda mais imperioso e urgente que o Ministério da Educação faça chegar às escolas ordens claras de que ninguém, por nenhum motivo, seja por falta de pagamento ou de pagamentos em atraso, pode negar a refeição a uma criança.

No post do 5Dias Porque a barbárie contra as crianças é assunto de todos faz-se o apelo para que todos participemos no protesto junto das entidades responsáveis, para que casos deste não voltem a acontecer, nunca mais.

Macacadas para Entreter


DEPOIS do secretário de Estado da Juventude e Desportos, Miguel Mestre, do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho e do eurodeputado Paulo Rangel terem sugerido que os jovens deviam escolher o caminho da emigração, caso tivessem dificuldade em encontrar trabalho em Portugal, chegou a vez do ministro da Economia e (des)Emprego Álvaro Santos Pereira vir contrariar estas orientações, dizendo que o seu objectivo é travar a emigração de trabalhadores portugueses, caso não encontrem emprego no seu próprio país, muito embora não tenha dito quando nem como. Embora o propósito seja bom, a coisa cheira a mais uma macacada para entreter, isto porque os números desmentem esta intenção, continuando a subir imparáveis, além de que o Orçamento de Estado para 2013, é um passaporte garantido para tudo piorar, em todas as áreas, sem excepção.

domingo, 14 de outubro de 2012

A Bala de Prata

Jerónimo de Sousa - «É sacar, é roubar mais de 2,5 mil milhões de euros, a quem trabalha ou trabalhou. Isto é o que nos faz gerar um sentimento de revolta.»

Pedro Passos Coelho - «As expressões que aqui emprega, traduzindo-se na mais do que sugestão, na responsabilização por actos de roubar como acusa o Governo de fazer, torna o PCP cúmplice, para não dizer instigador de atitudes de maior violência em Portugal.»

Troca de palavras entre Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, e o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, no debate parlamentar de 12 de Outubro de 2012 na Assembleia da República.

Meu comentário - A resposta veio logo no dia seguinte, 13 de Outubro de 2012, com as Marchas do Desemprego da CGTP, isto quando Pedro Passos Coelho já se esgotou e não tem resposta para os discursos políticos. Sem argumentos, de cabeça perdida e perdido no seu labirinto, dispara a esmo com a única munição que lhe resta: uma bala de prata que os portugueses, entre muitas outras coisas, também vão ter que pagar.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

AUMENTOS DO IRS
Com o PSD e CDS o sacrifício maior é sempre para os que menos têm.


Se o seu rendimento colectável de 2011 foi dez mil euros, pagou de IRS 1550 euros. Já se o seu rendimento colectável foi dez vezes superior, cem mil euros, pagou 36050 euros.

Com a nova tabelas em discussão na AR, acrescida da sobretaxa de 4%, um rendimento colectável de dez mil euros passa a pagar 2270 euros, e um de cem mil euros irá pagar 43720 euros.

Ou seja, para quem tem um rendimento colectável de cem mil euros/ano o aumento do IRS será de 22%. Já para quem tem um rendimento colectável dez vezes menor, dez mil euros/ano, o aumento do IRS será de 46%.


MARCHAR CONTRA O DESEMPREGO

sábado, 6 de outubro de 2012

Firmeza


ESTAMOS rodeados de cobardolas, que fogem do povo como o diabo da cruz. Um refugia-se no "Pátio da Galé", rodeado de gorilas e seguranças, despeja mais umas quantas inutilidades pela boca fora e sai apressadamente, ao passo que o outro se ausenta para o estrangeiro, dizendo que anda por lá por ser indispensável estar presente numa reunião dos chamados "amigos da coesão". Cá por mim, penso que é preciso dar-lhes com firmeza, como o fez a cantora lírica Ana Maria Pinto.

Firmeza

Poema de João José Cochofel e Música de Fernando Lopes-Graça

Sem frases de desânimo,
Nem complicações de alma,
Que o teu corpo agora fale,
Presente e seguro do que vale.
Pedra em que a vida se alicerça,
Argamassa e nervo,
Pega-lhe como um senhor
E nunca como um servo.

Não seja o travor das lágrimas
Capaz de embargar-te a voz;
Que a boca a sorrir não mate
Nos lábios o brado de combate.

Olha que a vida nos acena
Para além da luta.
Canta os sonhos com que esperas,
Que o espelho da vida nos escuta.

sábado, 22 de setembro de 2012

Conclusões do Conselho de Estado
THE SHOW MUST GO ON.

Does anybody want to taket it anymore?

  1. Graças aos bons ofícios do conselheiro matrimonial o divórcio foi adiado, as partes comprometem-se a manter a aparência dum casamento feliz, ou pelo menos a não fazer peixeirada em público; please?

  2. Enquanto não arranja para onde se mudar, o Paulo continua a viver lá em casa, em regime de bed and breakfast.

  3. Os gatunos são aconselhados a deixarem o roubo de esticão, mas o assalto à mão armada must go on.
.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Sondagens da Católica
ENTRE MAIO E SETEMBRO PSD E PS PERDEM MUITO MAIS DO QUE PARECE, O CDS EM VEZ DE SUBIR, DESCE, E SÓ A CDU É QUE SOBE.

Quadro 1

Não sei se isso também acontece ao estimado leitor mas, por vezes, quando olho para os números duma sondagem não consigo deixar de me interrogar: como é possível? Depois de tudo o que ouvimos na rua, depois das Manifs de 15 de Setembro como é possível que o PSD tenha ainda o apoio de 24% dos portugueses? E a resposta afinal é simples: não tem, agora nem sequer chega aos 10%.

As sondagens tentam prever qual será o resultado duma eleição e, umas vezes melhor outras pior, lá se vão aproximando. O problema maior são as outras ilações que, erradamente,  vemos serem tiradas das sondagens, o que em parte decorre da forma como as sondagens são apresentadas.

De acordo com a Ficha Tecnica da sondagem da Católica efectuada de 15 a 17 de Setembro deste ano, dos 1132 inquiridos apenas 9,6% disseram que votariam no PSD e, um pouco mais, 12,4% no PS. Longe, muito longe dos 24% e 31%, como os resultados são apresentados. No quadro seguinte temos as percentagens reais de cada um dos partidos:

Quadro 2

Assim apenas 12,4 % deram o seu "voto" aos partidos da coligação do Governo, e 24,8 % aos partidos que apoiam o programa da troika: PS, PSD e CDS. O que desmente o tão apregoado consenso nacional e  a mui enaltecida extrema paciência do povo português.

Mas para além da forma como os dados são apresentados nos sugerir uma imagem bem diferente da realidade, pode também distorcer certos tipos de análise dos resultados. Por exemplo na apresentação da sondagem da Católica de Setembro diz-se que o PSD, entre Maio e Setembro, desceu 12%, que o PS desceu 2%, e que os outros partidos subiram, uns mais outros menos. Será mesmo assim?

Se, tal como fizemos para os dados da sondagem de Setembro, olharmos para os dados da sondagem da Católica de Maio, vemos que nessa altura foram as seguinte as percentagens obtidas por cada um dos partidos:

Quadro 3

Agora, com base nos dados dos Quadros 2 e 3, ou seja nas respostas dadas para cada um dos partidos em Maio e Setembro de 2012, é fácil calcular a evolução verificada nesse  período:

Quadro 4

Surpreendido? Também eu que não fazia ideia que os valores fossem tão expressivos. Em 5 meses, entre Maio e Setembro, em vez dos 12% anunciados (ver Quadro 1) o PSD perdeu 45% do apoio; o PS, que muita gente pensa que se aguentou bem, que teria descido apenas 2%,  afinal o PS desceu 23%;  o CDS é  apresentado como tendo subido 1%, quando ao contrário o CDS desceu quase 5%; quanto ao BE também não subiu  2%, o BE não subiu nem desceu, apenas aguentou, bem, o resultado da sondagem de Maio. Tudo visto,  apenas a CDU subiu, uns significativos 18%.


As Considerações do Senhor Regedor


«A manifestação não foi tanto contra o Governo e a situação actual, mas contra as políticas dos últimos anos»

Excerto da intervenção do deputado do PSD, Carlos Abreu Amorim, na sessão de abertura dos trabalhos parlamentares da Assembleia da República, de 19 de Setembro de 2012, sobre os objectivos da manifestação nacional, ocorrida em 15 de Setembro de 2012.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

MENINO GASPAR CHAMADO AO GABINETE DO DIRECTOR.


Os jornais dizem que Cavaco chamou Vitor Gaspar a participar na reunião do Conselho de Estado da próxima 6ª feira, 21/9. Só não explicou se é porque já não confia nas explicações trapalhonas do Pedro, ou se é para darem todos uma rabecada no Gaspar.

Eu também já fui convocado, mas para a manifestação em frente ao Palácio de Belém, anunciada ontem à noite. Como a alegada comunicação social não tem tempo para falar destas cenas (está a full time na lavagem de roupa, e branqueamento, do PSD e CDS), aqui fica o cartaz e o endereço da página do facebook da Concentração: Reunião do Conselho de Estado.


CRESCER COM AS NOVAS TECNOLOGIAS
7 em cada dez crianças entre os 2 e os 5 anos sabe usar o rato do computador, apenas 1 em 10 consegue fazer o laço dos sapatos.


Os dados referem-se aos EUA, mas por cá não demorará muito a lá chegarmos.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Governação Sob Procuração

«Os ADVISERS é que sabem, eles é que vão encontrar a solução»

Resposta do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, durante a entrevista concedida à RTP1, sobre o modelo que o serviço público de televisão assumirá, no quadro da concessão da RTP a privados. Provavelmente, são também os tais ADVISERS (conselheiros, assessores, António Borges & Companhia) que decidem quanto aos restantes aspectos da governação, nomeadamente, os impostos, os cortes de salários e pensões, bem como outras medidas de austeridade.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

E se em vez de mais experiências com a Economia, e as nossas vidas, continuassem antes por aí entretidos a fazer experiências com as vossas pilinhas?


Vítor Gaspar reconheceu que, com base num estudo feito sobre a  TSU um ano antes, em colaboração com o Banco de Portugal, o Governo chegou a uma conclusão oposta e que ele próprio tinha classificado uma medida deste tipo como uma “experiência com os portugueses.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

domingo, 2 de setembro de 2012

Oh NÃO, Mais Uma Anedota de Fim-de-Semana, NÃO!


«Digo olhos nos olhos: O nosso país não é corrupto, os nossos políticos não são corruptos, os nossos dirigentes não são corruptos»

Estas afirmações foram pronunciadas no sábado à noite, dia 1 de Setembro de 2012, pela directora do DCIAP (Departamento Central de Investigação e Acção Penal) e também procuradora-geral adjunta, Dra. Cândida Almeida, numa "aula" da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide.

Ainda andei a ver se o sentido do discurso que a senhora estava a debitar, não estaria a ser atraiçoado por alguma armadilha do novo Acordo Ortográfico, mas parece que não. Aquilo que ela disse, era exactamente o que ela queria dizer, isto é, que Portugal é todo ele um país de inocentes meninos de coro, que não há nenhum caso Freeport, nem caso Submarinos, nem caso Portucale, nem caso Face Oculta, nem caso Operação Furacão, nem a puta que os pariu a todos. Lembro que esta senhora tem sido insistentemente apontada como provável sucessora do actual procurador geral da República, o impagável doutor Fernando Pinto Monteiro, o tal que mandou esquartejar as escutas do processo Face Oculta, que implicavam o imaculado emigrante José Sócrates, o que a concretizar-se, serve para confirmar que embora mudem as moscas, a merda permanece a mesma, ou como diz o ditado - e bem - quem mais jura é quem mais mente.

sábado, 1 de setembro de 2012

As Falinhas Mansas do Borges e a Gritaria do País


COM a desculpa das inadiáveis reformas e dos planos de ajustamento, o governo está a tomar de assalto a coisa pública, e o António Borges, numa oração de sapiência da universidade doméstica do PSD, reclamou que a contestação e resistência a esses assaltos anda a gerar níveis de "polémica" e "gritaria" que nem sempre coincidem com a "vontade coletiva", que anseia por decisões tranquilas, serenas, verdadeiras e repletas de determinação. Ficou a faltar explicitar a que vontade colectiva se refere, que é quase certo, nada tem a ver com o país que maioritáriamente está sob sequestro das medidas de austeridade, mas sim com os muitíssimos e fortissimos interesses estabelecidos (como ele próprio o diz, e esta competência adquiriu-a na sua passagem pela Goldman Sach) que sobrenadam a governação, à espera que a ultra-liberal "destruição criativa" do tecido económico e social, lhes conceda a oportunidade de abocanharem os pedaços mais suculentos do desmantelamento das empresas públicas e do sector empresarial do Estado.

Para a sua aula (até o próprio Borges faz concorrência desleal aos professores, isto quando sabemos que este ano, em comparação com o ano passado, são menos 5.147 o número de professores contratados) foi buscar o salazarismo, como termo de comparação, esquecendo-se que o condicionamento industrial do ditador (cuja herança o catedrático Borges diz querer anular) não tinha os mesmos objectivos e eram poucas as semelhanças com o que actualmente sucede, mas já o mesmo não se pode dizer quanto ao proteccionismo (que não é a mesma coisa que ajuda directa) dos grandes interesses, das poucas famílias empresariais. Não se reequilibra a economia adoptando medidas que geram ondas sucessivas de insolvências, a não ser que se pretenda substituir as clientelas, chamando-lhe novo modelo económico, onde a concorrência se faz à custa das facilidades de despedimento, geradoras de uma grande reserva de mão-de-obra barata, da precariedade laboral e da erosão salarial. Na verdade, o que o "proeminente" conselheiro Borges quer combater, não são os tais interesses estabelecidos, sobrevivos do tempo da ditadura, mas sim mudar os seus protagonistas.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Patilhas & Ventoínha


PARA SABER do paradeiro dos dossiers com a documentação relativa aos concursos que antecederam a celebração dos contratos, contrapartidas e financiamentos dos submarinos, e à falta de melhor solução, sugiro que o inoperante DCIAP peça a colaboração da mundialmente conhecida e competentíssima equipa de investigação Patilhas & Ventoínha.