sábado, 7 de março de 2015

Agora, o rumo – parte II




Enquanto escrevia esta segunda parte de “Agora, o rumo”, chega-me a notícia que o executivo municipal lançou “Loures em Congresso” que pretende – segundo a autarquia – “ser um espaço de discussão, participado e sustentado, que permita, no futuro, a definição do plano estratégico para a gestão da Autarquia nos próximos 10 anos”.
 
Trata-se, evidentemente, de uma iniciativa que saudo e que vem corresponder aquilo que vinha propondo, pelo que fico satisfeito e, evito, para já, outras considerações e sugestões que me preparava para fazer. Salto, assim, para a visão que tenho, daquelas que devem ser as opções que se oferecem ao Município de Loures, neste momento e contextos, local, regional, nacional e internacional.
 
Comecemos pela ideia central e primordial que defendemos para a próxima década: TRANSIÇÃO PARA A SUSTENTATIBILIDADE
 
E de que sustentabilidade(s) se trata ?
 
·        Da sustentabilidade económica do Município, da preservação e incremento da sua capacidade de investimento;
·         Da sustentabilidade do tecido económico, pela sua evolução, consolidação, alargamento e inovação;
·         Da sustentabilidade ambiental e energética;
·         Da sustentabilidade do território, pelo equilíbrio nos usos e ocupação, a requalificação e valorização;
·         Da sustentabilidade demográfica;
·         Da sustentabilidade social, cultural e educativa;
 
A “ideia”, o “conceito”, a “causa maior” que se tem, será, pois, a de um Município apostado na qualificação global e no conhecimento científico, onde a educação e a cultura são pressupostos essenciais e, naqueles domínios, se constituam as âncoras do desenvolvimento local e do bem- estar das populações. Vislumbra-se, a oportunidade de:
·        Atrair actividades e empresas de valor acrescentado, qualificando o tecido económico;
·        Promover emprego, emprego qualificado e emprego altamente qualificado;
·        Promover, impulsionar e desenvolver o conhecimento científico, técnico e tecnológico, com base nas empresas e instituições instaladas e procurando acolher outras, bem com o interesse das Universidades e instituições de base científica;
·       Assegurar recursos suficientes para o exercício das atribuições e competências da Câmara Municipal de Loures;
·        Conferir à população e às jovens gerações uma base educativa, científica e cultural sustentada;
·        Defender e proporcionar um quadro territorial e ambiental sustentável;
·        Resistir e inverter as visões depreciativas do Planeamento Regional para Loures;
·         Adoptar uma política de contactos internacionais directos para partilhar, intercambiar e ancorar o rumo estratégico adoptado.
 
Publicado no Notícias de Loures, nº 11, Março de 2015

Sem comentários:

Publicar um comentário