domingo, 25 de setembro de 2011

O Pão e o Pau


«(...) no Orçamento para 2012, o Ministério das polícias (vulgo da Administração Interna) é o único que, além de não sofrer cortes, será ainda reforçado com mais 400 milhões de euros. Parece, pois, que é com mais polícias e mais dinheiro para as polícias, que o Governo pensa resolver o problema de (citando fonte do executivo) "mais desemprego, mais carências e menos prestações sociais".

O povo é pobre e mal agradecido, sobretudo se lhe tiram o pão e, por isso, o melhor é preparar o pau

Excerto do artigo de opinião, da autoria de Manuel António Pina, com o mesmo título deste post, publicado no JORNAL DE NOTÍCIAS de 23 de Setembro de 2011

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Do Estado Social ao Estado Assistencial


DEPOISde 48 anos de ditadura e caridade salazarenta, o 25 de Abril de 1974 veio finalmente, com três décadas de atraso, relativamente à Europa de perfil social-democrata, abrir as portas ao Estado Social. Foi sol de pouca duração;José Sócrates, um neoliberal disfarçado de socialista, iniciou o seu desmantelamento, ao passo que Passos Coelho, à boleia da crise e de uma pretensa obesidade do Estado, aproveitou a embalagem e irá continuar a tarefa,aprofundando a falsa doutrina de que o Estado necessita de ser um "Estado mínimo", para que, ao transferir as suas obrigações para as Instituições Privadas de Solidariedade Social (IPSS), e desobrigando-se dos deveres de redistribuição da riqueza, possa tornar-se um Estado, dizem eles, mais eficaz, negligenciando, contudo, o combate aos desequilíbrios sociais e às causas dapobreza. Aliviando-se destas tarefas, que por obrigação lhe cabia promover e coordenar, acaba por entregar a sua missão às igrejas, às misericórdias e às ONGs, entidades que no novo quadro passam a encarregar-se de dar corpo e expressão ao Estado Assistencial, que se pensava morto e enterrado. 

Assim,estamos a assistir ao regresso dos atestados de pobreza, a exemplo daqueles que eram passados pelas juntas de freguesia do antigo regime, embora com novas roupagens. Faz-se aparecer um Programa de Emergência Social e adopta-se um rebuscado eufemismo, chamado "descriminação positiva", que serve para dar credibilidade ao renascimento do Estado Assistencial. A partir de agora, para voltar a receber a esmola, já não é necessário ir para a via pública ou para a porta das igrejas, de mão estendida, invocando o nome de Deus; basta apresentar provas de que se é indigente ou carenciado, e aguardar que a ONG ou o organismo credenciado emita o respectivo cartão (talvez com chip), com validade e direito a renovação, pois o cansaço, e porque não o pudor, também funcionam como factores de desmobilização, claro está. O aumento exponencial de casos de pobreza, em consequência do desemprego e do brutal aumento do custo devida, mitiga-se agora com a exibição de cartões que dão direito a descontos na água, luz, gás, transportes, renda da casa, propinas, contas do infantário, do hospital e da farmácia, servindo também para levantar géneros nos centros paroquiais e no banco alimentar contra a fome, e dando ainda acesso às refeições para os mais carenciados e sem-abrigo, uma espécie de pára-quedas para quem está a empobrecer. Eis a caridade em versão “tecnológica”! Limpo mais limpo não há!

A crise, o défice e a dívida soberana, são tudo bons pretextos para desmontar o Estado Social e voltar a reconstruir o Estado Assistencial. E já agora, porque não pugnar pela criação de um “movimento nacional feminino” de novo tipo, embora já não virado para os soldadinhos da guerra colonial, mas com novos objectivos, sempre pilotado pelas “evitas péron” que continuam a florescer, senhoras conceituadas que se entregam de alma e coração às recolhas de contributos em géneros nas grandes superfícies comerciais e à caridadezinha, porém, sem uma única palavra de crítica, nem um único gesto de combate, contra as causas do desemprego, da desintegração social, da queda na marginalidade e na miséria, e elas lá sabem porquê…

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

PASSOS NÃO AQUECE NEM ARREFECE
(Por uma vez de acordo com Alberto João)


Diz Alberto João que "Passos não aquece nem arrefece", e se virmos bem desta vez não anda muito longe da verdade: Na Madeira manda Jardim; no Cont'nente manda a Troika e a Merkel, ou vice versa conforme os dias.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

TALKING UNION
Dia 1 de Outubro: agora é a nossa vez de falar.



If you want higher wages, let me tell you what to do;
You got to talk to the workers in the shop with you;
You got to build you a union, got to make it strong,
But if you all stick together, now, 'twont he long.
You'll get shorter hours,
Better working conditions.
Vacations with pay,
Take your kids to the seashore.

It ain't quite this simple, so I better explain
Just why you got to ride on the union train;
'Cause if you wait for the boss to raise your pay,
We'll all be waiting till Judgment Day;
We'll all he buried - gone to Heaven -
Saint Peter'll be the straw boss then.

Now, you know you're underpaid, hut the boss says you ain't;
He speeds up the work till you're 'bout to faint,
You may he down and out, but you ain't beaten,
Pass out a leaflet and call a meetin'
Talk it over - speak your mind -
Decide to do something about it.

'Course, the boss may persuade some poor damn fool
To go to your meeting and act like a stool;
But you can always tell a stool, though - that's a fact;
He's got a yellow streak running down his back;
He doesn't have to stool - he'll always make a good living
On what he takes out of blind men's cups.

You got a union now; you're sitting pretty;
Put some of the boys on the steering committee.
The boss won't listen when one man squawks.
But he's got to listen when the union talks.
He better -
He'll be mighty lonely one of these days.

Suppose they're working you so hard it's just outrageous,
They're paying you all starvation wages;
You go to the boss, and the boss would yell,
"Before I'd raise your pay I'd see you all in Hell."
Well, he's puffing a big see-gar and feeling mighty slick,
He thinks he's got your union licked.
He looks out the window, and what does he see
But a thousand pickets, and they all agree
He's a bastard - unfair - slave driver -
Bet he beats his own wife.

Now, boy, you've come to the hardest time;
The boss will try to bust your picket line.
He'll call out the police, the National Guard;
They'll tell you it's a crime to have a union card.
They'll raid your meeting, hit you on the head.
Call every one of you a goddamn Red -
Unpatriotic - Moscow agents -
Bomb throwers, even the kids.

But out in Detroit here's what they found,
And out in Frisco here's what they found,
And out in Pittsburgh here's what they found,
And down in Bethlehem here's what they found,
That if you don't let Red-baiting break you up,
If you don't let stool pigeons break you up,
If you don't let vigilantes break you up,
And if you don't let race hatred break you up -
You'll win. What I mean,
Take it easy - but take it!

Voz Pete Seeger
Letra de Millard Lampell, Lee Hays e Pete Seeger (1941)

Musica: tradicional ("TaIking Blues”)


domingo, 18 de setembro de 2011

RTP... O outro lado da historia que o Governo, a Comunicação Social e a Ongoing não lhe vão contar


1.Sabia que todos os países da Europa comunitária e inclusive nos Estados Unidos têm serviços públicos de televisão, e que o modelomisto de mercado que existe em Portugal é a regra e não a excepção?
2. Sabia que o serviço público de televisão prestado pela RTP é nãosó um dos mais baratos da Europa, é também um dos mais baratos domundo? Custa cerca de 15 cêntimos por dia, não por pessoa, mas porcontador de luz.

3. Sabia que por esses 15 cêntimos são emitidos diariamente 11 canaisde televisão com programação diferenciada (RTP1, RTP2, RTPN, RTPMemória, RTP África, RTP Internacional Asia, América, Europa,RTPMobile, RTP Madeira, RTP Açores) 7 antenas de rádio (Antena 1, Antena 2, Antena 3, RDP África e RDP Internacional, Antena1 Madeira,Antena1 Açores), Rádio, Televisão e Noticias na plataforma Multimédia (NET), com uma audiência potencial de cerca de 200 milhões de pessoas?
4. Sabia que a RTP possui o maior e melhor arquivo audiovisual do paíse um dos melhores do seu género em todo o mundo?

5. Sabia que os trabalhadores da RTP são dos mais produtivos do sector televisivo europeu, recebendo menos salário liquido do que os seuscongéneres no privado e que auferindo em média 50% do que os seuscolegas europeus?
6. Sabia que os trabalhadores da RTP não têm aumentos salariaisreais desde 2003, sendo os trabalhadores do sector do estado os que mais de poder de compra percentual perderam numa década?

7. Sabia que a publicidade da RTP não entra para os seus cofres masestá sim indexada ao pagamento de um empréstimo bancário a umsindicato bancário alemão e holandês, que assumiram o passivo?
8. Sabia que essa dívida (contraída graças ao antigo PM Cavaco Silva)ronda os 600 milhões de euros a um spread baixíssimo, e que estesindicato deseja renegociar o empréstimo há anos?


9. Sabia que no caso da RTP ficar sem publicidade o accionista Estadoteria que assumir o pagamento da dívida, mais juros por inteiro e deimediato?

10 . Com o governo de Passos Coelho, sabe quem pagará a dívida de um canal àONGOING (se comprar a RTP)? Você!.. e vai custar-lhe 600 milhões deeuros!".

União Nacional Reconstruída

"Se não houver uma grande disrupção na política europeia, acho que sim [que este Governo aguenta quatro anos]. Se a Grécia entra em incumprimento e se há uma grande crise no euro, aí a situação muda de tal maneira que é possível que se tenha de adaptar o Governo e, eventualmente, obrigar o próprio PS a ter de entrar para reforçar a sua credibilidade e força".

Declaração de Francisco Van Zeller, ex-presidente da CIP, em entrevista ao DIÁRIO DE NOTÍCIAS em 18 de Setembro de 2011. O título do post é de minha autoria.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

NUNO CRATO NA RTP
CORTAR NO PÚBLICO E DAR MAIS AOS PRIVADOS.

Afinal o modelo de ensino preferido do Nuno é o da Inglaterra

Pena que o alegado entrevistador, face à desculpa de Nuno Crato de que por causa das dificuldades que o país atravessa os cortes na Educação têm de ser em tudo, não lhe tenha perguntado então porque é que AUMENTOU em cinco mil euros por turma a contribuição do Estado para os colégios PRIVADOS.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

E SERÁ QUE A IGREJA TAMBÉM TEM UMA ESCALA PARA MEDIR O GRAU DE PEDOFILIA DOS PADRES?


Na discussão sobre a nulidade do casamento católico no VII Encontro Nacional sobre Causas Matrimoniais, ficamos a saber pelo cónego Remédios Joaquim Assunção Ferreira que a orientação da Igreja é que se façam perícias psiquiátricas (WHAT?) para se aferir do grau de homossexualidade numa escala que inclui pessoas "predominantemente homossexuais, só acidentalmente heterossexuais, ou exclusivamente homossexuais."

O que daria muito jeito, digo eu, é que a Igreja tivesse uma escala para medir o grau de pedofilia dos padres e que, de modo a permitir aos pais das crianças e jovens uma decisão informada sobre onde mandar os putos à missa ou à catequese, os resultados das ditas perícias fossem afixados à porta das igrejas.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Justiça Fiscal à Victor Gaspar


EM ENTREVISTA dada à SIC, bem conduzida durante 41 minutos por José Gomes Ferreira, e recheada de perguntas pertinentes e oportunas, para não dizer incómodas, o ministro das Finanças Victor Gaspar deu algumas respostas ambíguas ou pouco convincentes. Vejamos um exemplo:
«(...)
José Gomes Ferreira - O que muita gente está a perguntar é porque razão não existe o mesmo tratamento para rendimentos de empresas, rendimentos de aplicações financeiras, sobre quem tem posses e detém este tipo de activos, para que participassem também no esforço colectivo, e isto não aconteceu. Não seria melhor ter ido por aí?
Victor Gaspar - Repare, nós sempre escolhemos no quadro da aplicação deste programa, usar o sistema fiscal português, tal qual ele existe, isto é, considerar como indicador de capacidade contributiva, o rendimento reflectido nos contribuintes passíveis de IRS. Esta forma de proceder causa a menor perturbação possível sobre o funcionamento do nosso sistema fiscal. Não me parece que seja avisado procurar alterar fundamentalmente o sistema fiscal, por razões que têm a ver com medidas de recurso que têm que ser tomadas sob pressão de tempo.
(...)»
Meu comentário - Depois de ter sido dito que pôr as grandes fortunas a pagar imposto, era uma forma de convidar os capitais a emigrarem, agora há uma nova explicação. Na óptica do ministro, o tempo para actuar é muito curto, e arranjar maneira de tributar os ricos iria "perturbar o funcionamento" da máquina fiscal. Portanto, todos os contribuintes, excepto os ricos - e também porque já vão estando habituados - é que devem pagar a crise. 

domingo, 4 de setembro de 2011

Não Acredito!


Pormenor da primeira página do semanário SOL de 2 de Setembro de 2011

NÃO ACREDITO quase nada na autenticidade destes protestos. Quando os governos avançam com dolorosos e destemperados assaltos fiscais, e outras malfeitorias afins, é sempre aconselhável que apareça alguma “resistência interna”, devidamente doseada e controlada, para arrefecer os ânimos de quem está a ser molestado, com o objectivo de evitar que levantem fervura. Na prática é uma variante da técnica do polícia mauzão e do polícia bonzinho. Passa-se a mensagem de que o governo está coeso e determinado, mas que os deputados eleitos pelo povo, são capazes de reflectir o descontentamento popular. Nas hostes do PSD acontece o mesmo. A juventude social-democrata, no decurso da Universidade de Verão, bate palmas às catilinárias e censuras de Mário Soares, alguns barões do PSD fazem declarações, manifestando-se incomodados com as arremetidas do governo, o povo aguarda sereno e na expectativa, mas depois, com umas quantas vitórias da selecção de futebol pelo meio, vai esquecendo e voltando à “apagada e vil tristeza”.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

NÃO HÁ FESTA COMO ESTA
O José Lopo na Festa do Avante.


Talvez tenha ajudado vivermos a mais de duzentos quilómetros de distância e só os ter conhecido quando lhes fomos apresentar a neta, mas o certo é que me posso gabar de ter tido, na Auzíria e no José Lopo, os melhores sogros do mundo. Vivendo num meio que me era absolutamente estranho, pequenos agricultores do interior centro, missa ao domingo, comunhão na Pascoa, e depois do 25 de Abril voto no PPD, não foi isso que nos impediu de nos darmos sempre na maior.

Aconteceu num ano, ainda a Festa do Avante era na Ajuda, o José Lopo, já viúvo, estar na altura a passar uns dias cá em casa. A filha lá lhe disse que, mesmo com ele de visita, não íamos faltar à Festa, que gostaríamos que ele fosse também, mas se ele não quisesse trataria de lhe organizar o dia de modo a que nada lhe faltasse. Respondeu que sim, que já tinha ouvido falar nessa Festa, e que teria muito gosto em ir também.

E gosto teve realmente, num dia inteiro até ao fecho dos portões, encantado de encontrar restaurantes com coisas lá da terra e de todos os cantos do País, da animação de rua, dos espectáculos, do ambiente descontraído e de camaradagem e, pasme-se, como era possível com tanta gente junta, como nunca tinha visto na sua já longa vida, não haver um desacato ou uma rixa como era habitual nas muitas feiras e romarias que costumava frequentar.

No dia seguinte, a falar com a filha o quanto tinha apreciado aquele dia fantástico, não se esqueceu no entanto de aludir que era melhor não comentar o facto com os filhos que viviam, como ele, lá na aldeia próximo de Penela. Quanto às filhas, há muito a viver, trabalhar, e criar os filhos pelas bandas da grande Lisboa, nenhuma menção. Pelos seus cálculos, parcialmente correctos, seriam provavelmente também frequentadoras habituais da Festa mais fabulosa a que tinha assistido em toda a sua vida, e que infelizmente não teve oportunidade de rever.

Passos Coelho Caixeiro-Viajante

"Os alemães serão muito bem-vindos às privatizações"

Declaraçãode Pedro Passos Coelho, em visita à Alemanha, no seu encontro com ÂngelaMerkel. Só faltou acrescentar que “não custa 40, não custa 20, só custa 10, e ofeliz comprador ainda leva o Estádio do Jamor como brinde!”

ADENDA - O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje em Paris que a privatização da EDP será feita garantindo "o melhor preço" para a empresa, "não necessariamente para o Estado".

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

MANIFESTAÇÃO DE PERUS EXIGE ANTECIPAÇÃO DO NATAL.


Já não havia pachorra para a ladainha da seita do neo liberalismo tuga a exigir ao Governo passista que faça, para ontem, os prometidos cortes da Despesa Pública, quando agora começo a ver a própria malta que vai levar com os cortes na mona queixar-se que o Governo só aumenta os impostos e os preços dos serviços, o que é verdade, e que nunca mais se resolve a, finalmente, Cortar na Despesa.

Ora Cortar na Despesa, em passês ou gasparês, quer dizer cortar na contratação de professores (já em curso), despedir trabalhadores de empresas publicas e funcionários do Estado, encerrar ou degradar serviços que ainda vão prestando algum serviço útil às pessoas,vender por tuta e meia empresas lucrativas, e por aí fora sempre a abrir.

É que quanto aos benditos Cortes na Gordura do Estado, é filme que já vimos a cores e a preto e branco: anunciam o fim dos Governos Civis e vai-se a ver ficou tudo na mesma, apenas serviu para despedir 18 boys do PS o que foi rapidamente compensado com 30 nomeações para a Comissão da Troika, num dia dizem que acabam com a empresa Parque Expo para no dia seguinte nomearem uma nova Administração, na CGD o numero de administradores sobe de 8 para 11, já para não falar nas nomeações para os Gabinetes do ministros, que já vão em mais de 700 e ainda não vimos o fundo ao tacho, ou tachos.

Como consta por aí, a estratégia do Governo é começar por sacar à bruta, o que está a fazer com requintes de malvadez, para de seguida, quando o pessoal já estiver pior que estragado, puxar do superior argumento de que os sacrifícios têm de ser para todos e então começar a cortar a eito: da Saúde à Educação, dos Salários e Pensões aos serviços das Autarquias.

Tudo com a sempre prestimosa colaboração da alegada comunicação social, e o aplauso frenético não só dos Amorins, Belmiros, Salgados & Cia, mas também de muito daquele pessoal que está mal, mas o que ainda lhes dá algum consolo na vida é saber que há outros que vão ficar pior do que eles.