sábado, 8 de agosto de 2015

SALSA, MANJERICÃO, E O QUE SERIA DOS GREGOS SEM OS PERITOS DA TROIKA.


Sem os peritos da Troika como é que, por exemplo, os pobres dos gregos iam conseguir determinar qual o IVA a aplicar à salsa e ao manjericão? E quem diz os gregos, diz os portugueses, ou mesmo os espanhóis e italianos.

É evidente que nem o Varoufakis nem o Tsakalotos, nem o Medina Carreira nem o César da Neves, dispõem de ciência bastante para concluir, sem margem para duvida ou contestação, qual o escalão correcto do IVA a aplicar a cada um daqueles apreciados herbáceos.

Para além da incontornável dificuldade que teriam a optar entre os 13% e os 23%, decerto seriam incapazes de atinar com as implicações fiscais das diferenças de aroma, sabor e textura entre a salsa e o manjericão, o que teria as mais funestas consequências no controlo do défice e pagamento da Divida, podendo mesmo comprometer irremediavelmente a imprescindível recapitalização da banca grega.

Afortunadamente nestas encruzilhadas da vida os povos do sul não estão sós, entregues à sua atávica e proverbial ignorância, derivado do que podem sempre contar com a elevada sapiência e abundante experiência dos peritos da CE, do BCE e do FMI, que duma forma cientifica e com bué de rigor, concluíram que, para que tudo corra dentro dos conformes do Memorando e a Grécia possa ser resgatada ao radicalismo do Syriza, o IVA a aplicar vai ser 13% à salsa, e 23% ao manjericão.


(Tudo explicadinho, aqui: V.A.T. absurdity in Greece: Why has Parsley 13% and Basil 23%?)

Sem comentários:

Publicar um comentário