terça-feira, 11 de agosto de 2015

A ARTE DE BEM PREVENIR INCÊNDIOS, SEGUNDO OS MAIS RECENTES GOVERNOS DA PÁTRIA.


Penso que foi ainda no tempo de Guterres que o governo decidiu dar télélés aos pastores para, entre o apascentar das ovelhas e as aparições no memorável anúncio da Telecel http://bit.ly/1guITTl , usarem o então novel aparelho para comunicar de que lado soprava o fogo.

Uns anos depois, aí por altura do PEC III de Sócrates, e quando já não havia cão nem gato que não tivesse telemóvel, foi a vez das 150 000 cabras, que sob o alto patrocínio dos governos de Portugal e de Espanha, se iriam dedicar à meritória tarefa de prevenir incêndios.

Agora, na era Passos & Portas, quando se fala em recorrer à espécie asinina para o desígnio pátrio de combate aos incêndios, só espero que não haja descriminação inter pares e que além do burro mirandês se mobilizem os burros de todo o país, nomeadamente os que, em São Bento e Belém, mas não só, mais não fazem que estar abancados à manjedoura e enfadadamente ir abanando a cauda para enxotar as moscas.

FB 11/8

Sem comentários:

Publicar um comentário