sábado, 6 de fevereiro de 2016

E NÓS RALADÍSSIMOS COM O DÉFICE ESTRUTURAL


É que nem se fala noutra coisa aqui pelo bairro.

Um tipo entra no café do Sr Amadeu e a primeira coisa que lhe perguntam é como vai o seu défice estrutural, à porta da EB1/JI as mães e as avós dividem-se sobre qual a melhor maneira de limpar o pó ao défice estrutural, e até o dono do restaurante chinês me veio perguntar o que achava de passar a incluir na ementa um prato de porco com amêndoas à défice estrutural.

No entanto, e para falar verdade, tenho de admitir que sem estas cenas dos défices estruturais, dos saldos primários e do efeito induzido da TSU, o panorama cultural deste bairro seria uma autentica pasmaceira.

Enfim, o estimado leitor deve ter uma ideia do que estou a falar, tipos pessoal que só anda em transportes públicos, e com quem não se consegue ter uma conversa com a devida elevação técnico intelectual.

Gentinha que, se não tiver os estímulos certos, só fala de tretas como a miséria que ganham a trabalhar que nem uns mouros, do tempo que esperam por uma consulta com o médico de família que não têm, do preço do bilhete da Barraqueiro para ir ao Centro de desEmprego a Loures ou da reforma de miséria que acaba sempre antes do dia 15.

E aí eu pergunto: como estaria o nível intelectual deste bairro, sem o contributo inestimável destas questões técnico eruditas com que os Mass Mérdia nos vão brindando diariamente?

Sem comentários:

Publicar um comentário