quinta-feira, 5 de maio de 2016

O GOVERNO PS, A DESCRIMINAÇÃO SEXUAL NO COLÉGIO MILITAR, E O TERRORISMO LABORAL NO NOVO BANCO


Andou o ministro da Defesa muito bem quando face às graves declarações do subdirector do Colégio Militar à TSF, exigiu ao Chefe do Estado Maior de Exercito que investigasse o que se passava naquele estabelecimento de ensino do Estado e tomasse as medidas adequadas à situação.

Ao tornar publico que "O Ministério da Defesa Nacional considera absolutamente inaceitável qualquer situação de discriminação, seja por questões de orientação sexual ou quaisquer outras, conforme determinam a Constituição e a Lei", o ministro Azeredo Lopes deixava bem claro que os direitos dos alunos daquela instituição, tal como os de qualquer cidadão, para o governo PS, estão acima dos preconceitos e/ou praticas de "caserna" incompatíveis com o Estado de Direito em que queremos viver.

Já no caso da mais duma centena de trabalhadores do Novo Banco a quem, por não terem aceite a "rescisão amigável" do vinculo laboral, está a ser impedido o acesso ao seu local de trabalho pela administração, um acto completamente ilegal, desumano, e de verdadeiro terrorismo laboral, não vimos o ministro Mário Centeno, que tutela o Novo Banco, tugir nem mugir.

Apesar do jogo de cintura de Costa, e do empenho dalguns socialistas em tentar inverter o rumo que levará o PS à inevitável pasokização, no essencial este PS continua a ser o que sempre foi, de esquerda e progressista em questões de sociedade como a homossexualidade ou o aborto, de direita e reaccionário quando se trata de direitos dos trabalhadores ou dos interesses da Banca.

Sem comentários:

Publicar um comentário